Caminhos

Caminhos, lugares, histórias: as várias São Paulo

*Imagem: Desenho de Rebeca Peppe. Caneta nanquim e lápis de cor.

Texto da educadora Rebeca Peppe sobre as experiências de visita e os relatos colhidos com o público durante a programação Experimentando o Museu de agosto com o tema “Identidades Paulistanas: o que eu trago? o que eu levo?”. Esse é o sexto de uma série de textos elaborados pelo Educativo da Casa-museu Ema Klabin.

Ao andar apressada, quase correndo, mesmo sem fôlego por ruas, avenidas, terminais de ônibus, baldeações de metrô, trabalho, faculdade, lojas, cafés, lanchonetes, calçadas, faixa de pedestres, desviando de todo tipo de objetos inanimados ou orgânicos, rodeada por pessoas, animais, prédios, casas, praças, algumas árvores, publicidades (estas com certeza em maior número que as árvores) cores, luzes, cheiros, sons… vozes. Tenho o costume de sempre procurar, nem que seja alguns minutos de minha rotina, parar para observar: olhar o céu, o pôr do sol, que a cada dia ganha cores diversas (e até mesmo a poluição acrescenta seus tons), a copa das árvores, as pessoas correndo, o cheiro do café, do pão de queijo quentinho, a chuva, olhar como é múltipla essa imensa colagem de prédios, imaginando que histórias eles poderiam me contar.

Eu nasci e cresci nesta confusa cidade, mas, se for falar mal dela, a defendo como se fosse um irmão mais novo, do qual não aceitamos que ninguém coloque defeito. Eu posso odiá-la, mas sei também amá-la.

A exposição “Vozes dos Livros: Identidades Paulistanas” trouxe um pouco disso para dentro da Casa-Museu Ema Klabin, um olhar mais atento ao que acontece a nossa volta cotidianamente, as histórias que passam (muitas vezes com pressa), que sentam ao nosso lado no ônibus, que nos faz companhia no bar, que nos pede moedas…

“Vozes dos Livros” foi este parar para observar, para ouvir, para trocar, sem pressa. Conhecer outras São Paulo que não a minha, não apenas de caminhos e lugares físicos, mas também de afetos, não de concreto, mas de Gente.

→ Confira também os outros textos que pertencem a série de depoimentos acerca da exposição Vozes dos Livros por Cristiane AlvesFelipe Azevêdo, Isabela Gonçalves, Rodi Ludwig e Bruno Melo

+ do blog:

Entrevista com Geovana

Nos bastidores do museu

Entrevista com Fanta Konatê

Rebeca Peppe

Graduanda de artes visuais pelo Instituto de Artes da Unesp , faz parte do educativo da Fundação Ema Klabin, paulistana que ama café, assim como ama cochilar no ônibus enquanto está no trânsito.

Próximos eventos: