São Paulo é miscelânea

São Paulo é miscelânea

*Imagem: Parque Infantil Dom Pedro II, 1938. Foto: B. J. Duarte. Acervo Iconográfico da SMC.

Texto da educadora Isabela Gonçalves sobre as experiências de visita e os relatos colhidos com o público durante a programação Experimentando o Museu de agosto com o tema “Identidades Paulistanas: o que eu trago? o que eu levo?”. Esse é o terceiro de uma série de textos elaborados pelo Educativo da Casa-museu Ema Klabin.

Esta visita tem como objetivo nos aproximar desta coleção e da história, nossa história, com a cidade de São Paulo. O que eu trago? O que eu levo?

Quais histórias temos para contar? Como eu sou parte da cidade e como a cidade faz parte de mim?

Eu, como paulista, nascida e criada nesta selva de pedra, possuo uma relação de casa e família com a cidade, uma relação complexa de amor e ódio, de aconchego e incômodo, de tudo que a cidade me fez e me tornou.

Carregarei para sempre a marca de São Paulo em mim, com todas as memórias, durante toda a minha trajetória, desde menina até agora em minha fase adulta, no entanto, também pude ver de perto o crescimento da cidade, as linhas de metrô se multiplicando e emaranhado-se entre si, o centro se expandindo e atraindo cada vez mais pessoas, as periferias se desenvolvendo e, mesmo que devagar, prosperando. Eu, junto com a cidade, evoluindo.

A minha experiência nesta visita foi carregada dessas memórias afetivas, as visitantes presentes nesse dia, assim como eu, eram jovens, nascidas e criadas por São Paulo. Com diferentes vivências e contatos, mas compartilhando do mesmo afeto e carinho, a mesma relação conturbada, ainda assim carregada de intimidade, de quem viu e andou por essas ruas durante a vida inteira.

Essa visita nos fez refletir sobre todas essas questões, e nos aproximou desse lugar, tão rico culturalmente, cheio de informação e diversidade, que ao mesmo tempo intimida e liberta. Esse lugar que chamamos de lar.

Os visitantes realizaram um depoimento escrito, expressando suas memórias e sentimentos, compondo mais uma parte dessa história, resultado da atividade no fim da visita.

→ Confira também os outros textos que pertencem a série de depoimentos acerca da exposição Vozes dos Livros, por Cristiane Alves e Felipe Azevêdo.

+ do blog:

Entrevista com Geovana

Nos bastidores do museu

Entrevista com Fanta Konatê

Isabela Gonçalves

Isabela Gonçalves é graduanda no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo em Artes Visuais, Pintura, Gravura e Escultura. Atua como artista visual e compõe a equipe educativa da Fundação Ema Klabin.

Próximos eventos: