Música é arma de luta

Tramas Culturais
Música é Arma de Luta

Tramas Culturais - Música é Arma de Luta

Idjahure Kadiwel, Lucas Canavarro e Nana Orlandi

Quinta-feira, 28 de outubro, das 17h às 18h

Gratuito

Pelo YouTube

Imagem: Nana Orlandi

“Exercer o canto como um ato político se tornou uma coisa fundamental”. Estas são as palavras de Daiara Tukano (artista visual, educadora e ativista indígena) que abrem o documentário “Música é Arma de Luta” (2021), tema deste encontro de Tramas Culturais.

Estarão presentes Idjahure Kadiwel, Lucas Canavarro e Nana Orlandi, diretores do documentário, que nos contarão sobre a experiência da produção, bem como suas reflexões acerca da música contemporânea indígena e sua presença nas mobilizações pela reivindicação dos direitos indígenas.

“Música é Arma de Luta” é um documentário de curta-metragem sobre a Luta Pela Vida, a maior mobilização indígena da história do Brasil, ocorrida entre 22 a 28 de agosto de 2021, que enfoca a importância dos cantos, dos rezos e da musicalidade dos povos indígenas em sua resistência contra os ataques e violações de seus direitos originários.

Luta Pela Vida, é a mobilização nacional indígena pelos direitos originários às Terras Indígenas garantidos na Constituição Federal e contra a tese do marco temporal.

Público-alvo

Músicos, pesquisadores, público virtual do museu, indígenas, público em geral.

Assista ao documentário: Música é Arma de Luta
Idjahure Kadiwel

Idjahure Kadiwel é antropólogo, editor, tradutor e poeta indígena, pertencente aos povos Terena e Kadiwéu. Trabalha e pesquisa a arte, a etnomídia e a etnologia indígenas. É editor da coleção Tembetá (Azougue Editorial, 2017-2019) e do catálogo da exposição Véxoa: Nós sabemos (Pinacoteca de São Paulo, 2021), apresentador do podcast Nhexyrõ: artes indígenas em rede e codiretor do documentário Música é Arma de Luta (2021, 25'). É mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional/UFRJ e doutorando pelo PPGAS/USP.

Nana Orlandi

Nana Orlandi é uma artista interdisciplinar. Possui uma formação e atuação múltiplas e explora diversas linguagens em busca de uma expressão coerente com sua visão sistêmica de mundo. Formada em Direito pela UFRJ (2010) e Geografia pela Puc-Rio (2012). Integrante fundadora da etnohaus (2010), associação cultural, coletivo de artistas, músicos, produtores e profissionais de diversas áreas cuja proposta é: refletir e atuar no espaço público da cidade, com realizações significativas na área da música e cultura no Rio de Janeiro. É Idealizadora e realizadora do Mi Mawai (2017), selo musical transmídia que funciona como plataforma de encontros e alianças entre artistas indígenas e não indígenas através de projetos que tem como eixo central a música. Dirigiu o curta metragem Música é Arma de Luta (junto com Carou Trebitsch, Idjahure Kadiwél e Lucas Canavarro) e o álbum visual Ni Ishanai ~ Floresta Futuro, resultado final de uma residência artística realizada com jovens huni kuin do Grupo Kayatibu. Atualmente finaliza dois trabalhos: o documentário Niwe Bai ~ Caminhos do Vento, a ser lançado em outubro de 2021, e o clipe de Meu Corpo é Terra, da cantora Brisa Flow. Em 2021 foi produtora e colaboradora audiovisual da instalação Kanau'kyba - Caminho das Pedras, de Gustavo Caboco e família Wapichana, em exibição nesse momento na 34ª Bienal de São Paulo. Trabalha como musicista desde 2004 e participou como cantora e percussionista nas bandas Mohandas, Grupo Maracutaia, Agytoê e colaborou como produtora com artistas como Tyaro , Mojo e com o mestre babalorixá Dofono D'Omolu.

Lucas Canavarro

Lucas Canavarro é cineasta e artista da imagem e da palavra. Desenvolve seu trabalho a partir da interface do audiovisual com diferentes linguagens, como as artes visuais, as artes da cena, a música, a poesia e o tarot. Mestre em Processos Artísticos Contemporâneos pela Uerj (2017), onde pesquisou registro de performance e arquivo. É integrante do selo musical transmídia Mi Mawai, onde dirigiu e montou o curta-metragem Música é Arma de Luta (junto com Carou Trebitsch, Idjahure Kadiwél e Nana Orlandi) e o álbum visual Ni Ishanai ~ Floresta Futuro, e onde atualmente finaliza dois trabalhos: o documentário Niwe Bai ~ Caminhos do Vento, a ser lançado no 1º semestre de 2021, e o clipe de Meu Corpo é Terra, da cantora Brisa Flow. Colaborou com o audiovisual da plataforma Selvagem, criada e idealizada por Ailton Krenak e Anna Dantes. Finaliza no momento a série de curtas-metragens Corpo é, no Núcleo 2 do Centro de Artes da Maré, no Rio de Janeiro. Foi produtor e colaborador audiovisual da instalação Kanau'kyba - Caminho das Pedras, de Gustavo Caboco e família Wapichana, em exibição nesse momento na 34ª Bienal de São Paulo. Em 2020, dirigiu o curta-metragem documental Se entrega, em codireção com Carolina Durão. Atua no cinema e no audiovisual desde 2009, tendo sido assistente de diretores como Lúcia Murat (com quem codirigiu episódios da série Vestígios do Brasil, no ar no Canal Curta), Michel Melamed e Felipe Bragança.

Relacionados

Lançamento do Catálogo

Ecos do Modernismo

Ética e etiqueta