Vitoru Kinjo

Tardes Musicais
Vitoru Kinjo solo + convidados

Tardes Musicais | Vitoru Kinjo solo + convidados

Sábado, 11/05/19, às 16:30

gratuito

170 vagas por ordem de chegada

*Imagem: Gal Oppido

No sábado, 11 de maio, às 16:30, o cantor e compositor Victor Kinjo apresenta no jardim da Fundação Ema Klabin o show “KINJO solo + convidados”.

O show traz versões inéditas das canções do disco KINJO (Matraca Records/YB Music, 2017) e outras da música brasileira e mundial, incluindo Gilberto Gil, Mercedes Sosa, Shoukichi Kina e Queen. Sozinho, ao piano e violão, ou acompanhado de músicos convidados, o artista também fala sobre temas como identidade e diversidade no contexto da cidade de São Paulo, local onde floresceu sua musicalidade transcultural.

O cantor apresenta esse show especial após voltar dos EUA, onde participou do 18º Fórum Permanente das Nações Unidas para as Questões Indígenas, na sede da ONU em Nova York e realizou palestras-performances na Universidade de Harvard e na Universidade de Nova York.

O retorno ao Brasil e o show na Fundação Ema Klabin são motivo para o compartilhamento dessa experiência, e o cantor prepara versões especiais em voz, piano e violão de músicas como “Permissão”, “Canto para Yemayá”, “O Caos e a Flor” e “Sistema Solar”, entre outras. Ele também canta “Flores para o Coração da Gente”, versão brasileira da música Hana do okinawano Shoukichi Kina, gravada com apoio da Fundação Japão de São Paulo e lançada em show no Itaú Cultural.

Victor Kinjo

Victor Kinjo nasceu em São Paulo, em 1984. Neto de imigrantes okinawanos, começou a cantar na infância música japonesa. Iniciado no piano aos 7 anos e no violão aos 12, cresceu ouvindo a música brasileira, europeia, norte-americana e latina da vitrola de seu pai, e a música pop da década de 90.

Na juventude, graduou-se em Economia na Universidade de São Paulo (2007) e em Ciências Sociais na PUC-SP (2007). Nessa época, enquanto tocava em festas e festivais universitários, aprofundou seus estudos de piano com Beba Zanettini e compôs suas primeiras canções.

O cantor é mestre em Sociologia (2010) e doutor em Ciências Sociais pela Unicamp, onde defendeu a tese “Cantos da Memória Diaspórica: representações, (des)identificações e performances de Mishima a Okinawa” em 2015.

Também estudou canto, dança e teatro com Maud Robart (Haiti/França), Yoshito Ohno (Kazuo Ohno Dance Studio/Japão) e Thomas Richards (Workcenter of Jerzy Grotowski and Thomas Richards/Itália). Em 2015, fundou a SAMAUMA Residência Artística Rural, na Serra do Mar (Mogi das Cruzes-SP), e em 2017 lançou seu primeiro disco, KINJO, pelo selo Matraca/YB Music.

Apresentou-se como artista e pesquisador em universidades e centro culturais de todo o Brasil, além de Holanda, Espanha, Itália, França, Japão e EUA. Desde 2018, integra a Delegação Uchinanchu no Fórum da ONU para Questões Indígenas, em Nova York.

Seu primeiro disco, “KINJO”, foi descrito como “um novo olhar para a música brasileira” (Revista Arte Brasileira), e eleito o 20º melhor do ano na lista dos “100 Melhores Discos da Música Brasileira em 2017”, pelo site Embrulhador. A canção “Sistema Solar” ficou na 12º posição entre as “100 Melhores Canções do Ano”.

Entre 2017 e 2018, com sua banda, circulou em diversos espaços em São Paulo como Instituto Brincante, Teatro do Centro da Terra, Fundação Ema Klabin, Al Janiah, Teatro da Rotina, SESC Bauru, SESC São José dos Campos, SESC Santos, SESC Registro, SESI São José dos Campos, Virada Cultural Paulista, além de apresentações em Salvador (Fórum Social Mundial), Brasília (Fórum Alternativo Mundial da Água) e Japão (World Uchinanchu Festival). Em 2019 lançou o single “Flores para o Coração da Gente” em show com direção cênica de Maria Eugênia Almeida e direção musical de Ivan Gomes, no Itau Cultural em São Paulo.

Indicado como Melhor Cantor ao Prêmio da Música Brasileira 2018 (Categoria Música Regional), seu sonho é cantar atravessando de barco todo o percurso do rio Tîetê.