CORALUSP

Tardes Musicais
CORALUSP – Grupos Tarde e Sestina

Tardes Musicais | CORALUSP: Grupos Tarde e Sestina

Sábado, 23/11/19, às 16:30

gratuito

150 vagas por ordem de chegada

*Imagem: divulgação

Com um variado repertório que combina nomes da música brasileira e mundial, o CORALUSP é detentor de 5 premiações da APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, conquistou a opinião crítica e o reconhecimento do público por seu repertório e execução de espetáculos ao longo de mais de 50 anos.

CORALUSP

Fundado em 1967 pelo maestro Benito Juarez e José Luiz Visconti, o coral era formado por alunos das unidades da Escola Politécnica e da Faculdade de Enfermagem. No mesmo ano, o “Coral Universitário Poli-Enfermagem” recebeu o nome de “Coral Universidade de São Paulo – CORALUSP”. Em 1971, incorporou-se à Reitoria da Universidade de São Paulo. Em atividade constante desde sua fundação, hoje é
formado por 14 coros, 2 oficinas de canto coral, 7 regentes, 5 orientadores de técnica vocal e por volta de 560 coralistas, que se apresentam para públicos variados dentro e fora da Universidade.
O CORALUSP construiu em seus 52 anos uma trajetória que possui reconhecimento nacional e internacional, contando com apresentações nos
Estados Unidos, África, Europa e Argentina em seu currículo. Faz parte do quadro da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo -PRCEU/USP, e foi contemplado por programas internacionais, como o Programa de Intercâmbio e Atividades de Cultura e Extensão da PRCEU/USP, levando ritmos brasileiros ao Berklee College of Music, em Valência, na Espanha, à Pontifícia Universidad Javeriana de Bogotá, Colômbia, e à École Nationale de Musique, em Villeurbanne, na França. Em junho de 2017, o CORALUSP recebeu o Colar Guilherme de Almeida, da Câmara Municipal de São Paulo. Atualmente, está sob a direção do Prof. Dr. Ricardo Ballestero, professor no Departamento de Música da
ECA/USP.

GRUPO TARDE

Atualmente o Grupo Tarde, além de se dedicar ao desenvolvimento musical dos participantes que experimentam seu primeiro contato com o canto coral, investe em aprimorar a regência de seus monitores, sendo assim um trabalho didático por excelência.

GRUPO SESTINA

Inicialmente formado por antigos coralistas do grupo Tarde, o grupo Sestina recebeu seu nome oficial em 2011 e mantém sua atividade iniciada há mais de uma década, ensaiando semanalmente no campus Butantã. O coro dedica-se a um repertório majoritariamente erudito, embora seus programas frequentemente incluam arranjos corais de música popular brasileira e estrangeira.

O CORALUSP Sestina, apresenta Misatango – Misa a Buenos Aires. A peça foi criada por Martin Palmeri, misturando cinco partes fixas da liturgia católica com elementos harmônicos, rítmicos, melódicos e instrumentais do tango argentino.

MISA A BUENOS AIRES – “MISATANGO”

Misa a Buenos Aires – Misatango, de Martín Palmeri foi composta entre setembro de 1995 e abril de 1996. Estreou com a Orquestra Sinfônica Nacional de Cuba, junto aos coros para os quais foi dedicada: Coro da Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires e Coro Polifónico Municipal de Vicente Lopez. Sob a direção de Fernando Alvarez, teve a participação de Julio Pane como primeiro bandoneón, Hernán Posetti ao piano e Mariela Juni como soprano solista. Em junho de 1997 foi gravada em Liepaja, Letónia, pela Sinfônica e Coro locais, com Pablo Mainetti como primeiro bandoneón, Martin Palmeri ao piano, Alejandra Malvino como mezzo solista, sob a direção de Fernando Alvarez. Em dezembro de 2000, a pedido do Maestro Mario Benzecry, estreou no Auditório da Faculdade de Direito da UBA, com uma nova versão para orquestra sinfônica, em concerto transmitido para todo o país no Canal 7, na UBA TV. A obra tem sido interpretada em Córdoba, Mendoza, Nova York, Freiburg (Alemanha), São Petersburgo, Barcelona, Pays de Savoie (França), João Pessoa (Brasil), Konzerthaus de Viena – com Bernarda Fink – Europa Cantat Utrecht de 2009, entre outros. Importantes maestros a incluíram em seu repertório: Roberto Luvini, Alejandro Rutty, Fernando Alvarez, Peter Koderisch, Mario Benzecry, Nestor Andrenacci, Josep Prats, Martin Palmeri, Carlos Flores, Angela Burgoa, Silvana Vallesi, Lucía Vallesi, Ligia Amadio e Bracha Waldman.

Dados da composição

Após vários anos de alternância entre as minhas duas experiências musicais mais importantes, como intérprete e arranjador de tango e regente de coro, nasceu a ideia de escrever uma obra que integrasse estas duas facetas que, de alguma maneira, foram desenvolvidas de forma independente. Sempre foi minha intenção interpretar o tango com grupos corais, tratando de manter a “essência” do gênero. Nestas tentativas não faltaram os arranjos a capella, nem os concebidos para serem acompanhados por instrumentos, com resultados muitas vezes aceitáveis, mas raramente satisfatórios. As possibilidades técnicas e expressivas dos coros são de grande variedade, mas por alguma razão que me é difícil precisar, estão longe dos sons do tango. Dada a declaração acima, o objetivo deste trabalho foi o de manter a linguagem dos acordes, a rítmica, os desenhos melódicos e tudo o que é característico do tango a cargo dos instrumentos da orquestra, liberando assim o coro desta responsabilidade para que possa dedicar-se a “cantar a missa”. A escolha da língua latina poderia ser explicada com base no sentido universal que adquiriu essa linguagem na literatura coral, mas devo dizer que na decisão também pesou uma necessidade estética minha: o latim confere um hermetismo à obra que, na minha opinião, tem muito a ver com o tango e, especialmente, com o tango de vanguarda.

REGÊNCIA MÁRCIA HENTSCHEL

Natural do Rio de Janeiro, iniciou seus estudos musicais na cidade de Santos (SP), onde formou-se pianista pelo Conservatório Musical de Santos e pela Faculdade de Música de Santos. Posteriormen – te, radicada em São Paulo, aperfeiçoou-se nesse instrumento com o compositor e professor Amaral Vieira. Aos treze anos de idade, ingressou como cantora no Coral da Universidade Católica de Santos (CUCAS), grupo que viria a dirigir anos depois, tendo sua carreira musical redirecionada para a regência. Foi aluna de Juan Serrano, Oswaldo Luppi e Benito Juarez (regência coral) e parti – cipou dos Festivais de Inverno de Campos de Jordão de 1976 a 1978 nas classes de Robert Shaw, Bruno Wizuj e Diogo Pacheco. Em 1990, foi bolsista em regência orquestral no II Festival de Arte da Manfredonia (Itália), dirigindo nesta oportunidade a Orquestra Sinfônica de Craiova
(Romênia). Participou do International Study Tours for Choir Conductors nas edições do Europa Cantat Festival realizadas em Barcelona – Espanha (2003), Mainz – Alemanha (2006), Utrecht – Holanda (2009) e Turim – Itália (2012). Atuou como regente convidada nos X e XI Laboratórios Corais de Itajubá (MG) e foi membro do júri do concurso e festival internacional de coros San Juan Canta, em San Juan – Argentina (2016). Ao ingressar como regente no CORALUSP na década de 1980, foi responsável pela introdução do trabalho coral-cênico nesta instituição, havendo realizado espetáculos como “Mberewá – o canto tribal”, com direção cênica de Priscila Ermel, a opereta radiofônica “A noiva do condutor”, de Noel Rosa e Arnold Glückmann, com direção cênica de Eduardo Hora, e as montagens “Pedacinho de Brasil” e “Tarde com Chico”, com direção cênica de Reynaldo Puebla. Possui um extenso histórico na direção de corais universitários e corporativos, que inclui o Coral da Faculdade Marcelo Tupinambá e coros de empresas como Pirelli, Petrobrás, Makro, Unilever, Alca – tel, Tintas Coral, Dow Brasil, Ericsson Telecomunicações e Cabot Brasil. Atualmente estão sob sua direção o Coral “Max Feffer” (Suzano Papel e Celulose), o Coral da Sociedade Filarmônica Lyra, o Coral “Pinheiros Canta” (Esporte Clube Pinheiros) e grupos independentes. Desde 1984, integra o quadro de regentes do Coral Universidade de São Paulo (CORALUSP), ocupando, atualmente, o cargo de diretora artística.

Repertório

 

Grupo Tarde:

 

  • Enquanto houver solSérgio Britto (Titãs)Arranjo: Munir Sabag
  • CajuínaCaetano Veloso.Arranjo: J. E. Gramani
  • TrevoAnavitória.Arranjo: Ânderson Vieira
  • Flor do cafezalLuiz Carlos Paraná.Arranjo: Ânderson Vieira
  • MaracangalhaDorival Caymmi.Arranjo: G. Levy
  • AmavolovoloTradicional Zulu Dowry Song.Arranjo: Rudolf de Beer

Grupo Sestina:

 

  • Kyrie
  • Gloria
  • Credo
  • Sanctus
  • Benedictus
  • Agnus Dei

Relacionados

#CasaMuseuConversas