Anita Ekman

Transatlantic Colors

→ Performances de pintura corporal que recontam, através das cores, histórias transatlânticas

Transatlantic Colors | Performances de pintura corporal que recontam, através das cores, histórias transatlânticas

Anita Ekman

Sábado, 21 de março das 11h às 13h

R$ 40,00

35 vagas por ordem de inscrição

A fim de mitigar o risco de propagação do Coronavírus (Covid-19), a Casa-Museu Ema Klabin, por precaução, suspenderá todas as suas atividades a partir de 14 de março de 2020. Assim que a situação permitir, faremos o possível para retomarmos nosso funcionamento normal, e nosso público será informado pelas redes sociais. Em caso de dúvidas, pedimos que entrem em contato por e-mail.

Imagem: Anita Ekman

Nesta palestra, Anita Ekman apresenta pela primeira vez sua pesquisa bem como a série de fotografias e o vídeo da performance realizadas em setembro de 2019 na Espanha com o senegalês Modou Sall.

“O azul é um som: blues” – Eliot Weinberger

A cor não é apenas algo visual, ela engloba todos os sentidos e os sentidos que damos a ela. Dessa forma, o projeto Transatlantic Colors, da artista e pesquisadora Anita Ekman, propõe performances de pintura corporal.

As performances são discutidas através da história das cores: Azul (produzida a partir do Índigo), Vermelho (Pau-Brasil, Ocre e Urucum) e o Amarelo Ouro – as relações entre Europa, África e Américas em diferentes tempos.

Público-alvo

Músicos, Pesquisadores, Produtores, Público em Geral

Inscrição
Anita Ekman

Artista visual, performance, ilustradora e pesquisadora especialista em História da América Pré-colombiana, Arte Rupestre e em Culturas Ameríndias e Afro-brasileiras.Está participando da exposição: “Listening to the Echoes of the South Atlantic” com a curadoria de Selene Wendt na Noruega (06.02.2020 até 05.04.2020 - Oslo Kunstforening) apresentando o vídeo “Tupi Valongo - Cemitério dos Pretos Novos e dos Velhos índios”, com Sandra Benites, Hugo Germano, Dani Ornellas, Nzo Oula e Marcelo Noronha.Em 2019 apresentou a performance “À Flor da Terra” na Galeria Pivô com a participação do Grupo Dyroa Báya, Anani Sanouvi e Dani Ornellas, uma continuidade da performance “Tupi Valongo. Cemitério dos Pretos Novos e Velhos Índios”, realizada pela artista com o ator Hugo Germano em Salvador, na conferência Ecos do atlântico Sul (Goethe Institut Salvador) em 2018.Atualmente desenvolve pelo “Fundo Ecos” do Instituto Goethe o projeto “Ventres da Mata Atlântica” apresentado no HKW - Haus der Kulturen der Welt em Berlim em Julho de 2019, idealizado em colaboração com Amilcar Packer e com a participação de Sandra Benites, Marcelo Noronha, Carlos Papa, Cristine Takua, Anani Sanouvi , Sandra Nanayna Tariano, Yanina Otsuka e Freg J. Stokes.Desde 2017 realiza pesquisas sobre os carimbos de cerâmica para pintura corporal (conhecidos como Sello ou Pintaderas) e desenvolve o projeto “Ocre” realizando performances nas cavernas de Arte Rupestre Paleolíticas na Espanha e nos sítios arqueológicos do Parque Nacional da Serra da Capivara.Trabalhou para o Fomento Cultural Banamex auxiliando na montagem da coleção e da exposição “Grandes Maestros del Arte Popular em Iberoamérica”.Trabalhou em projetos de salvaguarda do patrimônio imaterial de culturas indígenas e de culturas populares brasileiras. Destacando-se o “Plano de Salvaguarda das Matrizes do Samba no Rio de Janeiro: Partido-alto, Samba de Terreiro e Samba-enredo” do IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e Centro Cultural Cartola. “Women of Samba - 100 Years of Samba” foi sua primeira exposição individual de fotografia, na Magnet Gallery (Melbourne, Australia) em 2016. É ilustradora da “Coleção Mundo Indígena” da editora Hedra e organizadora do livro “Yvyrupa – A Terra Uma Só” do autor Guarani Mbya Timóteo da Silva Verá Tupã Popygua, que integra essa coleção.

Relacionados

#CasaMuseuConversas

#PartilhasPoéticas

Poéticas da restrição