Katia Salvany e Renan Marcondes

Arte-papo
Katia Salvany e Renan Marcondes

Arte-papo

Katia Salvany e Renan Marcondes

Quinta-feira, 23 de setembro, das 17h às 18h

Gratuito ou contribuição voluntária de qualquer valor

Pelo YouTube

Imagem: divulgação.

Em tempos de distanciamento físico, como trabalhar a performance como linguagem prática de expressão?

O distanciamento físico impossibilitou a execução de trabalhos performáticos?

No dia 23 de setembro, para compor a terceira edição da série Arte-papo do ano de 2021 convidamos os artistas e pesquisadores Katia Salvany e Renan Marcondes para construir um diálogo sobre a linguagem da performance dentro do tema “Artes em tempos de exceção”.

O Arte-papo tem apoio cultural do Governo do Estado de São Paulo, por meio do ProAC ICMS da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e patrocínio da Klabin S.A.

Público-alvo

Público geral

Katia Salvany

RS, 1964 - vive e trabalha em São Paulo, SP, representada pela Galeria Kogan Amaro/SP, professora do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo desde 2004, Mestre e Doutora em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Pesquisadora CAPES em 2014, no programa de pós-graduação no RCA – Royal College of Art, Londres. Atua como orientadora de projetos artísticos há mais de 15 anos, tendo ministrado cursos, oficinas, palestras, participado de curadorias, comissões julgadoras, organização de eventos culturais, exposições no Brasil e no exterior. Criadora da Mentoria Artística Sistêmica onde realiza pesquisa, orientações e acompanhamento artísticos de processos criativos individuais e em grupos alinhadas a uma abordagem sistêmica.

Renan Marcondes

Renan Marcondes é artista e pesquisador representado pela OMA Galeria. Doutor em Artes Cênicas pela USP, com passagem pela Justus Liebig Universität Giessen. Pesquisa sobre procedimentos de desaparecimento do corpo na arte contemporânea. Já foi contemplado com premiações e comissões diversas, das quais se destacam: Festival Cultura Inglesa (2020), Prêmio de criação em residência para jovens coreógrafos no MIS-SP (2018), Temporada de Projetos do Paço das Artes (2017) e Prêmio do setor de performance da sp-arte (2015). Suas exposições individuais mais recentes incluem: Fundo Falso (Instituto Adelina, 2018) e Como se a paixão fosse uma grande esponja molhada (OMA Galeria, 2021). Já realizou residências na Pivô (2019), CAAA (Portugal, 2017) e no Instituto Sacatar (2017). Possui obras nos acervos do Museu de Arte do Rio, no Museu de Arte Contemporânea de Ribeirão Preto, na Pinacoteca de São Bernardo do Campo e na cidade de Santo André. Em 2019 foi indicado para o Programa de Bolsas e Comissões do Cisneros Fontanals Art Foundation.

Relacionados

Lançamento do Catálogo

Ecos do Modernismo