Encontro online
Arte-Papo com Aline Motta e Lubi Prates

Encontro online | Arte-Papo com Aline Motta e Lubi Prates

sáb, 17 ago de 2024
das 11h às 13h

gratuito, com sugestão de contribuição voluntária

95 vagas por ordem de inscrição

Plataforma Zoom

tradução e interpretação de libras

Imagem: Aline Motta e Lubi Prates. Foto Marilia Camelo e Acervo pessoal Lubi Prates.

O Arte-Papo tem a alegria de receber Aline Motta e Lubi Prates para uma conversa sobre como as temáticas da travessia, água e ancestralidade permeiam suas poéticas, trabalhos e processos criativos.

Sob o tema anual da Casa Museu Ema Klabin, intitulado “Novo Mundo: territórios e identidades”, nossa programação incide sobre as pesquisas acerca da ocupação humana nas Américas, deslocamentos populacionais, vestígios e arqueologia ancestral, visando fomentar as narrativas pós-coloniais e decoloniais do tema.

A série Arte Papo, iniciada em 2011 na casa museu, tem como objetivo promover o diálogo entre o público e artistas contemporâneos numa conversa informal sobre seus processos criativos e suas obras.

A atividade terá tradução e interpretação de libras. Este projeto é contemplado pelo Programa Municipal de Apoio a Projetos Culturais, PROMAC, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, com patrocínio da Marsh McLennan. A casa museu conta ainda com apoio da Klabin S. A.​

Público-alvo

Interessados em geral

Contribuições Voluntárias

A Casa Museu Ema Klabin é uma fundação cultural sem fins lucrativos. Nossa política de gratuidade depende de patrocínios e doações.

Agradecemos caso possa apoiar a conservação e a programação da casa museu fazendo uma contribuição voluntária no dia do evento ou a qualquer momento com a chave pix/cnpj: 51204196000177.

Valores sugeridos: R$ 20, R$ 40, R$ 80 ou quanto desejar. Qualquer quantia é bem-vinda.

Aline Motta

É artista visual e escritora, combina diferentes técnicas e práticas artísticas em seu trabalho, como fotografia, vídeo, instalação, performance e colagem. De modo crítico, suas obras reconfiguram memórias, em especial as afro-atlânticas, e constroem novas narrativas que invocam uma ideia não linear do tempo. Em 2022 lançou seu primeiro livro ``A água é uma máquina do tempo``, finalista do prêmio literário Jabuti. Em 2023, expôs na 15a. Bienal de Sharjah (EAU), no MoMA Museum of Modern Art (NY) e na 35a. Bienal de Arte de São Paulo. Em 2024, foi premiada com o prêmio PIPA.

Lubi Prates

É poeta, tradutora, editora e curadora de literatura. Tem quatro livros publicados - Coração na boca, 2012; Triz, 2016; Um corpo negro, 2018; Até aqui, 2021 -, além de diversas publicações em antologias, revistas nacionais e internacionais. Coorganizou os festivais literários para visibilidade de poetas `{`eu sou poeta`}`; Otro modo de ser (Barcelona); 3º Festival Mário de Andrade; 21ª FLIP, entre outros no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Traduziu autoras como Maya Angelou, Audre Lorde, June Jordan, Lucille Clifton, Dionne Brand, Flora Nwapa, entre outras. Foi jurada do Prêmio Sesc de Literatura, Prêmio Oceanos e Prêmio Jabuti. É sócia fundadora e editora da nossa editora. Dedica-se a ações que combatem a invisibilidade de mulheres e negros. É doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP).

Relacionados