Mulher e Seus Saberes

Mulher e Seus Saberes

*Imagem: The Railway, Edouard Manet (1873). National Gallery of Art, Washington

O convite para participar da curadoria de uma programação que abordasse o importante tema da mulher e do universo feminino foi recebido por mim como um presente e uma oportunidade rara de convidar pessoas a refletirem sobre o assunto.

Batizei o projeto de Ciclo de Palestras ‘Mulher e Seus Saberes’, por considerar que a mulher é um ser privilegiado. Longe de isolar seu ser, seu personagem histórico, sua representação num lugar de ‘intocável’, o que seria minorar sua importância e a sua capacidade de galvanizar a realidade com sua energia transformadora, penso que a mulher seja um ser privilegiado por reunir em si a força e a sensibilidade, a capacidade de olhar e de ver.  Ver o outro e suas necessidades, ver o momento ao redor e agir para modificá-lo, trazendo a clareza a situações complexas.

Em minha trajetória de vida, tive o privilégio de conhecer homens ricos de sabedoria e de amor, e de viver com eles. Tive, igualmente, a grande chance de conhecer mulheres que interferiram no caminho traçado pela lógica dos acontecimentos pregressos, alterando minha vida e levando-me a um patamar humano melhor. A elas, deverei sempre minha reverência e meu reconhecimento mais íntimo. A elas, nesse convite precioso da Fundação que leva o nome de uma mulher de luz, rendi homenagem,  convidando colegas e amigos brilhantes em seus ofícios, em suas pesquisas e nos debates que propõem.

Busquei abarcar, num ato generoso mas sabidamente incapaz de igualar as múltiplas riquezas do ser feminino, os que fossem capazes de falar sobre a mulher com pertinência. Cientistas, historiadores, professores, jornalistas, bailarinas, artistas, historiadores da arte vieram e virão, até o final de 2018, revelar a todos os interessados em descobrir o mundo feminino e seus alcances, a pujança e a sutileza da mulher e os seus tantos saberes, na Casa de Ema Klabin.

+ do blog:

Encerramento 2018

Fundação Ema Klabin recebe prêmio em 1º lugar em Edital do IBRAM

De olho na coleção: Vestígios de um processo

Ana Beatriz Demarchi Barel

Tem pós-doutorado em história pela USP, é docente efetiva da Universidade Estadual de Goiás - UEG. Realizou residência em pesquisa na Biblioteca Brasiliana Mindlin da USP sobre relações França-Brasil no século XIX. Dentre seus temas de interesse estão a formação da identidade nacional brasileira, as influências francesas no Romantismo, relações entre literatura e história e literatura e pintura. Estudou história da arte na Ecole du Musée du Louvre. É doutora em literatura brasileira pela Université Paris III Sorbonne Nouvelle.