La Mujer que yo mas quiero

Palimpsesto – La Mujer que yo mas quiero

Palimpsesto – La Mujer que yo mas quiero

gratuito

Sábado, 26/08/17 às 16:30

Imagem: Hugo Baldi

Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura e Klabin apresentam:

O espetáculo: Palimpsesto – La Mujer que yo mas quiero é uma homenagem a Violeta Parra, uma das mais importantes compositoras da música folclórica latino-americana, que faria 100 anos neste ano.

O Grupo Palimpsesto é um conjunto de música neolatina formado por Cid Battiato, Miguel Lobos, Raul Ordenes e Salvador La Fuente. Seu repertório abrange desde composições latinas de diversos países a temas de filmes, icluindo ária de ópera, MPB e composições próprias, tudo sempre interpretado com os típicos instrumentos andinos como a quena, zampoña, charango, cuatro, entre outros.

Violeta Parra, além de compositora, intérprete e artista plástica, foi a grande responsável pelo ressurgimento do folclore chileno no cenário musical latino-americano, graças ao seu minucioso trabalho de pesquisas e difusão de obras até então desconhecidas. Suas composições Influenciaram definitivamente a “Nova Canção Chilena”, um dos maiores movimentos musicais latino-americanos. O Grupo Palimpsesto apresenta um resumo de sua trajetória artística, interpretando algumas de suas composições, além de obras de outros compositores, com arranjos próprios, mostrando as influências de seu trabalho na história da música latina.

  1. Sonatina (Hugo lagos)
  2. La Exiliada del Sur (Violeta Parra)
  3. Corazon Maldito (Violeta Parra)
  4. Lo que mas quiero (Violeta Parra)
  5. Lunita de Lejos (Eduardo Carrasco)
  6. Atacameños (Domínio Público)
  7. Canción de América (Luis Advis)
  8. Casamiento de Negros (Violeta Parra)
  9. Volver a los 17 (Violeta Parra)
  10. Razón de Vivir (Victor Heredia)
  11. Tocata y Fuga (Violeta Parra)
  12. Los Momentos (Eduardo Gatti)
  13. Mi pátria (Eduardo Carrasco)
  14. Zamba Malató (Nicomedes Santa Cruz)
  15. Ventoleira (Eduardo Carrasco/Hugo Lagos)
  16. Gracias a la Vida (Violeta Parra)
  17. Parabienes al Revés (Violeta Parra)
  18. …E Acimas, As Estrelas (Cid Battiato)
  19. Canción com Todos (Tejada Gomez/Cesar Isella)
  20. El Hacha (Horacio Salinas)

Coletivo de Mulheres Chilenas de São Paulo expõe Arpilleras em “Homenagem aos 100 anos de Violeta Parra”

Em parceria com o espetáculo do Grupo Palimpsesto, o “Coletivo de Mulheres Chilenas de São Paulo” realizarão uma exposição de Arpilleras inspiradas na obra musical de Violeta Parra, intitulada “Homenagem aos 100 anos de Violeta Parra”.

Violeta Parra é criadora moderna das reconhecidas “arpilleras”, técnica de bordado em juta e consideradas mundialmente como uma ferramenta de resistência política, social e de denúncia utilizados durante a ditadura e, atualmente, contra diversas formas de violência.

A homenagem, além da apresentação musical do grupo Palimpsesto, contará com exposições de artesanato, “arpilleras”, realizado pelo Coletivo de Mulheres Chilenas residentes na cidade de São Paulo.

A apresentação forma parte de um programa mundial dedicado a homenagear  a esta insigne artista . Nossa seleção, nesta exposição,  representa  parte da história musical da cantora,  símbolo em todo o mundo da luta através da arte, da música, do artesanato e da pintura.

Violeta Parra pode ser considerada a mãe da canção comprometida com a luta dos oprimidos e explorados, tendo sido autora de páginas inapagáveis, como a canção “Volver a los 17″, que mereceu uma antológica gravação de Milton Nascimento, Chico Buarque, Gal Costa com Mercedes Sosa. No Brasil e no mundo todo é cantada Gracias a la Vida pelos mais renomados artistas clássicos e populares.

O lirismo dos versos de canções como Gracias a la vida” unidas a canções como “ Que dirá el Santo Padre que vive en Roma,” o “ La Carta” com motivo da detenção de seu irmão Roberto, artista circense, por dar apoio a uma greve nacional no Chile são ícones da cultura latino americana  de uma época  e de momentos em que a vida era questionada nos seus limites mais básicos.

Relacionados