Marcius Galan

Penetra | Marcius Galan

Penetra - Marcius Galan | Jardim Imaginário

de 21/10/17 a 17/12/17

Imagem: Estudo do artista para a intervenção (Marcius Galan, 2017)

Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura e Klabin apresentam:

Em sua quarta edição, o projeto Jardim Imaginário, que convida artistas a proporem intervenções no espaço da Fundação Ema Klabin, abre no dia 21 de outubro a exposição “Penetra”, do artista Marcius Galan, com curadoria de Gilberto Mariotti.

Como saber se isto que meus olhos me dizem corresponde ao que dizem os olhos dos outros? Como em Freud, algum deslocamento é necessário à chamada prova de realidade. Enganosa se entendida simplesmente como condição na qual se pode distinguir o real do falso, esta formulação refere-se mais propriamente à condição ou processo pelo qual pode-se distinguir mundo interno de externo. Tal distinção depende diretamente do gesto, do movimento do corpo, que pode revelar a origem de certas percepções.

Algo do trabalho de Marcius Galan opera nesta chave de interação com o público, que se descobre desafiado pela própria visão em um primeiro momento, e após deslocado o ponto de vista, descobre um material que se fazia passar por outro, o que em muitas situações significa também um deslocamento de sentido: reconhecer, por exemplo, um material que hoje tem a função corrente de criar espaços exclusivos, para depois perceber o espaço novamente acessível ao corpo. A ilusão se concretiza, pondo em discussão público e privado. O truque nos coloca bem de frente ao segredo, pelo simples desvelamento do que já era evidente.

No caso específico de “Penetra”, no entanto, não há ilusão de ótica ou efeito que engana o olhar. Os objetos assumem de boa fé seus materiais e suas formas não têm a ambigüidade de outras peças desenhadas por Marcius. O deslocamento de sentido depende de uma movimentação por diferentes espaços da casa, seu jardim, e até mesmo para além dos muros da Fundação.

Marcius Monteiro Galan (Indianápolis, Estados Unidos, 1972).

Artista plástico. Cresce em Bauru, São Paulo. Forma-se em artes plásticas na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em 1997. Durante a graduação, recebe o prêmio Michelangelo de Pintura, em 1995, e participa do projeto Outdoor na galeria Luisa Strina, em São Paulo, em 1996. No fim da década de 1990, é convidado para integrar o Ateliê 3º Andar, da artista Dora Longo Bahia (1961) e dos curadores Eduardo Brandão (1957) e Felipe Chaimovich (1968) e também trabalha como produtor no Paço das Artes.

Reside durante seis meses na Cité des Arts, em Paris, no ano de 2003. No ano seguinte, passa três meses no Art Institute de Chicago com a bolsa Iberê Camargo. E integra o Ateliê do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp). De 2005 a 2010, é produtor na MTV. Dentre as principais exposições coletivas, destaque para:

  • 29ª Bienal de São Paulo – Há sempre um copo de mar para um homem navegar (2010)
  • 8ª Bienal do Mercosul – Porto Alegre (2011)
  • Planos de Fuga – Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo (2012)
  • Blind Field – Kannert Art Museum, Illinois (2013)
  • Inside – Palais de Tokyo, Paris (2014)
  • Biennial of the Americas – Museum of Contemporary Art, Denver (2015)
  • Past/Future/Present – Phoenix Art Museum, Phoenix (2017)

 

Dentre as exposições individuais, destaque para:

  • Martelinho de Ouro – Galeria Silvia Cintra, Rio de Janeiro (2017)
  • Line Weight – Galerija Gregor Podnar, Berlim (2017)
  • Planta/Corte – Galeria Luiza Strina (2015)
  • Diagrama – Espacio NC, Bogotá (2013)
  • Geometric Progression – White Cube, Londres (2013)

 

Em 2012, recebe o Prêmio Investidor Profissional de Arte (Pipa) e participa do programa de residência Gasworks, em Londres, Inglaterra, em 2013.

Penetra – Marcius Galan | Jardim Imaginário 4ª Edição

Curadoria: Gilberto Mariotti
Produção Gráfica: Henrique Godinho
Assessoria de Imprensa: Mídia Brazil Comunicação Integrada
Cordenação Artes Visuais: Renê Foch
Coordenação Geral: Paulo Costa

Relacionados